Suspeito de matar esposa e vice-prefeito de Choró morre em Fortaleza

Francisco Roberto Oliveira de 46 anos, o “Júnior Moura”, suspeito de assassinar a própria esposa, a técnica de enfermagem Maria Elisângela Gomes e o vice-prefeito do município de Choró, Francisco Sidney Cavalcante, não resistiu aos ferimentos na cabeça e morreu na noite desta sexta-feira (27), em Fortaleza. Francisco Roberto estava internado em estado grave no Hospital Instituto Doutor José Frota (IJF).

Mensagens em celular
Segundo a Polícia, Francisco viu mensagens no celular de Elisângela que apontavam um suposto romance com vice-prefeito de Choró, o que teria motivado o crime passional. “Denoto que seria uma insistência dela para a continuação desse relacionamento e o que não estava tendo um feedback pela outra parte. Através do depoimento de testemunhas existiu esse relacionamento. Não se sabe se ele ainda estava em vigor ou se foi um relacionamento passado”, explica Leonardo Barreto, delegado da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que investiga o caso.

Outro detalhe divulgado pelo delegado na quinta-feira é que Elisângela foi assassinada no domingo e não sábado, como previamente divulgado. No domingo de manhã, Francisco Roberto esvaziou o freezer, levado os filhos para a casa de familiares e só depois matou a mulher, segundo o delegado. Ainda de acordo com as investigações, mesmo depois de ver as mensagens, Francisco Roberto ainda tentou salvar o casamento. A polícia disse que no sábado ele foi ao shopping e comprou cerca de R$ 2 mil reais em presentes para a família. A hipótese é que o casal não conseguiu se entender e no dia seguinte o homem matou a mulher.

Investigação
A causa da morte ainda não foi revelada, mas indícios como a máquina de lavar dentro do banheiro apontam algumas possibilidades. “Alguns vestígios encontrados no apartamento nos levam a crer determinadas formas, como asfixia, afogamento e até mesmo envenenamento. De forma que, se for constatado algum meio cruel para o cometimento desse homicídio, esse homicídio deverá ser qualificado”, ressalta o delegado.

O corpo de Elisângela foi encontrado em um freezer no apartamento do casal com sinais de violência na região do pescoço. O apartamento estava arrumado e uma carta supostamente escrita pelo acusado foi deixada no local. No bilhete, ele pedia desculpas ao pai de Maria Elisângela e dizia que não merecia a traição porque fazia tudo pela família. “Essa carta já foi encaminhada para a perícia para realização do exame grafotécnico e também eventuais coletas de digitais para a comprovação técnico-pericial de que a carta realmente foi de autoria do Francisco Roberto”, completa Barreto.

 

Rádio Cultura dos Inhamuns Ltda.

Av. Moacir Pereira Gondim 333 || Planalto dos Colibris || Telefones/Fax: (88) 3437 – 1346 e 3437 – 1347

Celular (88) 9719 2020 || E-mail: rcultura@usedata.com.br

Desenvolvido pela Auranet hospedagem de sites