Brasil e Bélgica duelam nas quartas de final da Copa do Mundo na próxima sexta

O Brasil conheceu seu adversário nas quartas de final, após vencer o México, por 2 a 0 nesta segunda-feira (2). A Bélgica venceu o Japão por 3 a 2 no último lance do jogo em uma partida de recuperação na segunda metade do segundo tempo e vai para o confronto com os brasileiros. Os japoneses fizeram 2 a 0 e impuseram muita velocidade contra a lenta defesa dos belgas.
A seleção brasileira encontrou um adversário difícil e ousado, mas venceu e avançou às quartas de final da Copa do Mundo. Neymar abriu o placar e Firmino, já nos minutos finais, garantiu a classificação.
Foi a partida mais dura da seleção brasileira até agora. O México não esperou o Brasil; começou o jogo pressionando, marcando o Brasil na frente e dificultando a saída de bola. O sistema defensivo brasileiro, no entanto, fez uma partida segura e, apesar dos 30 minutos iniciais de pressão, a bola quase não chegou ao goleiro Alisson.
A partida marcou ainda o despertar de Willian. O meio campista fazia uma Copa apagada até o final do primeiro tempo de hoje. Na segunda etapa, finalmente fez o que se esperava dele. Com jogadas em velocidade pela direita e cortando para o meio, Willian abriu a defesa mexicana e participou do primeiro gol, dando a assistência para Neymar abrir o placar.
O jogo
O começo do jogo mostrou um México mais ofensivo, mais presente na área brasileira. O time mexicano marcava a saída de bola do Brasil na origem, dificultando o trabalho dos armadores das jogadas da seleção brasileira. O time do técnico Juan Carlos Osorio começou a partida mais ofensivo e perigoso; e o Brasil perdia a bola com facilidade. O México cercava a área brasileira mas o goleiro Alisson trabalhou pouco. Os chutes e jogadas próximas ao gol eram neutralizados pela defesa brasileira.
Aos 24 minutos, o Brasil finalmente entrou na área com perigo. Neymar entrou na área pelo lado esquerdo e tentou cruzar para o meio, mas Ochoa afastou parcialmente. O Brasil tentou outra finalização em sequência, com Philippe Coutinho, mas a bola subiu demais.
Após esse ataque, o Brasil voltou à área mexicana com Coutinho e Gabriel Jesus. Os dois tabelaram, Gabriel Jesus bateu para o gol, mas Ochoa espalmou. A partir dos 30 minutos, a seleção brasileira ficou mais solta no jogo, mas o México estava bem armado na defesa e continuava controlando a partida.
Segundo tempo começa com gol
O Brasil começou o segundo tempo mais perigoso. Aos dois minutos, Coutinho tabelou com Neymar e bateu forte para o gol; Ochoa defendeu. Aos cinco, o Brasil chega ao gol, com Neymar. Ele começou a jogada na entrada da área, deu um toque de calcanhar para Willian, que entrou pela esquerda e cruzou rasteiro. Neymar se jogou e empurrou a bola para o fundo do gol.
O Brasil quase ampliou aos 13 minutos, com Paulinho. O volante recebeu na entrada da área e bateu para o gol, mas Ochoa espalmou. Depois do gol, o Brasil melhorou no jogo, se soltando mais com Neymar e, principalmente, com Willian. O camisa 19 do Brasil começava a se soltar no jogo.
Mesmo melhor do que no primeiro tempo e na frente do placar, o jogo era difícil para o Brasil. Por várias vezes a defesa não conseguia sair jogando e precisava afastar com chutões. O México avançava e o Brasil, recuado, esperava a oportunidade para os contra-ataques. E aos 42 minutos, o Brasil teve a oportunidade que queria. Em contra-ataque rápido, Neymar invadiu a área pela esquerda e cruzou rasteiro para Firmino, que havia acabado de entrar. O atacante só precisou escorar para o fundo das redes e fazer a torcida respirar aliviada.
O México volta para casa como sempre: nas oitavas de final. É a sétima vez seguida que o time mexicano é eliminado nesta fase. Em 2018, chocou o mundo ao vencer a Alemanha na partida de estreia.
Bélgica X Japão
A equipe europeia jogou mal, mas lances de qualidade de Hazard, Chadli e Fellaini contribuíram para a vitória. Durante todo o primeiro tempo, os belgas jogaram como se tivessem certeza de que o gol sairia naturalmente. Não saiu. Enquanto isso, o Japão, mais ligado no jogo, surpreendeu e, por pouco, não avançou na Copa. A Bélgica enfrentará o Brasil na próxima sexta-feira (6), às 15h.
O jogo
O Japão começou o jogo com mais presença no ataque e foi melhor nos primeiros 15 minutos de jogo. Pressionava a Bélgica no campo de ataque, tinha mais a bola, mas não ameaçava o gol de Courtois. No começo do jogo, a Bélgica fechou-se na defesa e esperou os espaços para atacar. E os espaços apareceram. Depois do início dominante do Japão, os belgas começaram a pressionar.
A defesa japonesa passou sufoco dos 23 aos 28 minutos. Em vários momentos, afastava como podia os lances de perigo e parecia que a Bélgica abriria o placar a qualquer momento. O Japão resistiu a essa pressão inicial.
O jogo era bom. A Bélgica passou a dominar a partida, mas não finalizava com perigo. O sistema defensivo japonês resistia na base da correria e conseguia fechar a porta para os chutes de Hazard e as infiltrações de Lukaku. E, de quebra, o Japão subia vez ou outra para o ataque.
Aos 43 minutos, o Japão quase marca o gol, graças a uma falha do goleiro belga. Nagatomo cruzou rasteiro para Osako que, impedido, desviou a trajetória da bola com um leve toque. Courtois, considerado um dos grandes goleiros do torneio, tentou agarrar a bola, mas ela passou debaixo de suas pernas. A bola só não cruzou a linha porque ele se recuperou e fez a defesa.
Cinco gols no segundo tempo
No segundo tempo, a Bélgica tentou retomar, mas sofreu dois gols-relâmpago. Aos 3 minutos, Inui interceptou o passe e levou o time ao ataque com um toque rápido de bola. Haraguchi recebeu na velocidade e, com um erro do zagueiro, que furou, ao tentar afastar a bola, saiu na frente de Courtois. Inui tocou a bola no canto, tirando do alcance do goleirom fez Japão 1 a 0.
Aos 7 minutos, o Japão contra-atacou e a defesa belga não se fechou a tempo. Inui teve tempo para dominar e armar o chute e acertar um chute no canto de Courtois: Japão 2 a 0.
O Japão manteve-se ofensivo e, aos 19 minutos, quase marcou novamente. Aproveitando a lentidão da defesa belga, Sakai recebeu na linha de fundo, nas costas de Carrasco, e cruzou. Courtois cortou e Osako quase marca no rebote.
Aos 24 minutos, a Bélgica diminuiu. Em uma jogada estranha, o zagueiro Vertonghen pegou rebote no lado esquerdo da grande área e, de cabeça, jogou para o meio da pequena área. O goleiro Kawashima só percebeu que a bola ia em direção ao gol quando era tarde demais. A Bélgica diminuía e ganhava fôlego na partida. Aos 28 minutos, veio o empate: Hazard cruzou na área e Fellaini, mais alto que os zagueiros, marcou de cabeça.
O jogo continuou aberto. A Bélgica tinha mais a posse de bola, mas o Japão era perigoso nos contra-ataques.
A Bélgica garantiu a classificação no último lance, quando faltavam 30 segundos para terminar o jogo: a seleção japonesa foi toda para o ataque para uma cobrança de escanteio. Porém, Courtois interceptou o cruzamento e ligou o ataque rapidamente. A jogada pegou a defesa japonesa completamente desarrumada. Chadli recebeu sozinho dentro da área e marcou o gol que levou a equipe europeia para as quartas de final.
Com o apito final, os japoneses, que chegaram perto da classificação em boa parte do segundo tempo, “desabaram” no gramado, incrédulos.
Com Agência Brasil

Rádio Cultura dos Inhamuns Ltda.

Av. Moacir Pereira Gondim 333 || Planalto dos Colibris || Telefones/Fax: (88) 3437 – 1346 e 3437 – 1347

Celular (88) 9719 2020 || E-mail: rcultura@usedata.com.br

Desenvolvido pela Auranet hospedagem de sites